Figueira Rubaiyat…eu fui!

Olá minha gente linda…Olha eu aqui novamente para falar de…comida! A minha ida a SP não foi tão produtiva quanto eu gostaria, já falei em alguns posts anteriores, mas como eu estava lá coloquei na minha listinha um lugar que me conquistou não pelo cardápio em si…mas por sua árvore! Árvore, Fernanda? Em um restaurante? Como assim?!? Bem…já explico…

O nome do restaurante em questão é A Figueira Rubaiyat e fica em uma das áreas mais nobres de SP e o mais importante disto tudo, é que o restaurante tem este nome porque foi construído praticamente ao redor de uma centenária figueira de Bengala (Ficus benghalensis), que acabou “emprestando” seu nome para o restaurante. Quando digo centenária, é isso mesmo: a figueira em questão tem mais de 160 anos!!!! UAU! E gente…é de uma beleza ímpar! Seus galhos parece que vão contornando todo o espaço e isso deixa o ambiente muito especial; você tem a ideia de estar dentro da árvore, e foi exatamente isso que me levou à este restaurante: a árvore! rs

Mas claro, nem só de figueira vive A Figueira Rubaiyat, o restaurante é sim muito bonito, com suas mesas e cadeiras de couro e madeira (originária de ipês da Fazenda Rubaiyat, no Mato Grosso do Sul) espalhadas sob os galhos de sua figueira e suas paredes de tijolinhos que deixam o ambiente bem aconchegante, mas sem parecer “metido” demais. Como foi a noite, a iluminação estava fazendo A diferença no local: inúmeras lampadinhas embaixo da árvore deixavam tudo com aquele ar de “especial”.

Nós tínhamos feito reserva pelo telefone e solicitamos uma mesa bem próxima da Figueira e para minha decepção, ao chegar no local, a hostess nos colocou em uma mesa a kilômetros de distância, o que me fez perguntar pela mesa solicitada previamente na reserva já que pude ver váaaaaaarias mesas vazias próximas da árvore em questão. Não gostei de cara da atitude! Mas enfim…vida que segue!

Devidamente acomodada em minha mesa (escolhida por mim rs), fui conferir o cardápio. Lembram que eu decidi ir ao restaurante pela figueira, né?!? Então…esqueci de conferir o cardápio pela  internet e isso fez muita diferença! Ao ler as opções do cardápio, eu sinceramente achei…CARO! MUITO CARO!!!! Então, se você também tem curiosidade de conhecer o restaurante em questão…olhe os preços antes, ok?

A cozinha do Figueira utiliza ingredientes de primeira qualidade e suas carnes são todas especiais, algumas de sua Fazenda no Mato Grosso do Sul; mas não estou discutindo a qualidade, apenas chocada com os valores. Já que estávamos lá, decidimos então aproveitar, então pedimos o couvert: R$39,00 reais por pessoa e vinha com um pão super engraçado preso em uma madeira, uns pães de queijo, antepastos diversos e muzzarela de búffala com tomatinhos cereja. Realmente estavam muito gostosos. Pedimos uma provoleta de entrada e infelizmente ela nem chegou a ser servida! Esqueceram do meu pedido! De prato principal fui de filé mignon da Fazenda Rubaiyat bem passado e palmito assado, o maridex foi de picanha summus com batatas souflées.

IMG_4979

Agora preparem-se para fortes emoções! O meu prato até tinha uma quantidade generosa de carne que estava bem saborosa mas paguei mais de R$130,00 reais por ele! MEODEUS! Mencionei a quantidade de palmito? Apenas 3 faias finas. O do maridex, que segundo o próprio estava também muito saboroso, saiu mais de R$150,00 reais e as batatas souflées não fizeram sucesso conosco! Acho que não consegui gostar tanto assim da comida porque para mim o preço estava muito acima do que a comida apresentava. Não é que a comida seja ruim, mas eu acho que pelo preço poderia ser melhor. Gosto é muito pessoal, não é mesmo? Lembro-lhes que A Figueira Rubaiyat é eleita um dos melhores restaurantes de SP. Mas eu…esperava mais!

A parte boa, é que como esqueceram da nossa provoleta, o garçon nos deu a sobremesa de cortesia. Eu escolhi uma tortinha de coco que estava bem gostosa por sinal e o maridex, foi de tortinha de limão. Achei gentil a atitude. A conta chegou e prefiro nem comentar…Acredito que terei de vender balas no sinal! (kkkk drama)

O que achei da Figueira Rubaiyat? Serei objetiva neste momento: bom, apenas! O que eu recomendaria a você…vá preparado pois é caro! Apesar de ser num bairro nobre ninguém vai muito arrumado, o que não quer dizer que você tenha que ir de Havaianas. As pessoas vão arrumadinhas mas sem frescura. É um ambiente refinado, porém sem frescuras. Vale para uma ocasião especial já que o lugar em si encanta. Mas existem comidas melhores em SP. Bem, isso é a minha opinião, a sua pode ser diferente.

Então é isso gente linda…fui, vi e venci a Figueira, mas continuo achando que o melhor da casa é a exuberância da natureza. Gosto é subjetivo…E vocês? Já tiveram alguma história para contar sobre a Figueira Rubaiyat ou algum outro restaurante? Conta aqui nos comentários e aproveita para se inscrever no blog…Vou adorar ficar mais próxima de vocês! Beijos mil e até a próxima…

 

A Figueira Rubaiyat
Rua Haddock Lobo, 1738 – Jardim Paulista
São Paulo/SP
Fone: (11) 3087-1399
www.rubaiyat.com.br/figueira

L’Entrecôte de Paris…Vá!

entrecote

Oi gente linda! Tudo bem com vocês? Espero que sim…Bem, quem é do Rio de Janeiro já deve saber que o Rio está participando da Restaurant Week (período onde alguns restaurantes fazem um precinho mais camarada em seus pratos; alguns restaurantes mediante reserva), que começou no dia 24 de março e vai até o dia 16 de abril. Eu que não sou boba nem nada, fui aproveitar e o meu escolhido foi o L’Entrecôte de Paris, vocês já conhecem?

O L’Entrecôte é um restaurante francês que tem em seu menu apenas um prato principal. Oi? Como assim? Sim…é isso mesmo minha gente! O restaurante é famoso por seu único prato: o entrecôte com fritas (a vontade) e um molhinho que sinceramente…é divino! Antes que você comece a pré-julgar, entenda que quando digo que tem apenas um prato é como opção de prato principal; existem outras opções de entrada (steak tartare, saladas, croque monsier entre outros) e sobremesas muito saborosas. Eu particularmente, prefiro a salada na entrada para conseguir saborear a sobremesa, que já adianto que vale cada caloria ingerida!

O ambiente do L’Entrecôte é bem agradável, a iluminação muito acolhedora (sim, eu super reparo na iluminação dos restaurantes) e o serviço também. Acho interessante a proposta de oferecer apenas um prato principal, porque evita de você ficar em dúvida entre qual prato escolher, rsrsrs. E a opção principal não é qualquer uma, trata-se de um corte super macio de carne (entrecôte) que vem acompanhado de fritas à vontade (toda hora passam na sua mesa e te oferecem mais batatas fritas) regados de um molho ultra, mega, hiper secreto que demora mais de 36 horas para ser preparado e leva 21 ingredientes. Gente…parece bobeira mas este molho é MUITO BOM! E tudo combina perfeitamente entre si. A salada que vem antes do prato principal não tem muito mistério: alface, tomatinhos, molho (que não é o tal molho secreto) e nozes, mas é bem gostosa e te ajuda a abrir o apetite para a carne que vem fatiada e muito macia.

IMG_0299

Eu acho que já comentei aqui como sou louca por doces, então eu dispenso as entradas para arrumar sempre um “espacinho” para a sobremesa. Até hoje nunca me arrependi, pelo menos no L’Entrecôte rs! A sobremesa mais conhecida é o mille-feuilles de doce de leite (camadas de massa folhada, intercaladas com recheio de doce de leite e creme pâtissière de doce de leite, decoradas com a torre Eiffel, feita com açúcar e cacau) que além de linda é realmente MUITO gostosa (eu acho que dá para dividir porque é bem grande e comendo sozinha pode enjoar); mas minha sobremesa preferida aqui é o brownie au chocolat noir et noix (brownie de chocolate belga e nozes, coberto com açúcar de confeiteiro e acompanhado de sorvete de baunilha e físalis), gente…me segura que isso é o paraíso em forma de sobremesa! Muito saboroso e não é pesado nem enjoativo, o sorvete de baunilha nem ligo muito mas o brownie…é amor! Além dessas já citadas, existem outras sobremesas como tarte tatin (torta de maçã invertida), profiteroles, pudim…enfim, muitas opções deliciosas.

Mas e o preço? Bem, o preço não é dos mais baratos, mas vale a pena. Se você quiser economizar, existe o prato “executivo”, que geralmente é servido no horário de almoço e a carne é um pouquinho menor do que a opção “classique”, mas os dois são bem servidos! Enfim…tem que provar! Agora, se você realmente ficou curiosa, não perca tempo…entre no site da Restaurant week e reserve seu horário em um L’Entrecôte de Paris mais próximo da sua casa, confira o sabor deste prato e pague bem menos por isso; aproveite que este desconto é só até o dia 16 de abril aqui no Rio de Janeiro.

E vocês, já conheciam este restaurante? Me contem aqui nos comentários ou deixe sua sugestão, dica ou crítica. Eu vou adorar conversar com você. Lembre-se que quem está inscrito lê os posts primeiro, então não perca tempo e se inscreva! Uma ótima semana para vocês com sabor de brownie…

Pecado da gula: CT Brasserie

Oi gente linda! Como vocês tem passado? Espero que bem…Hoje vim contar para vocês da minha experiência gastronômica em um restaurante bem legal aqui no RJ, o CT Brasserie, vocês conhecem? Preparem-se para fortes emoções…

Eu não posso dizer que como de tudo, na verdade eu sou MUITO chata para comer! Sabe aquela pessoa que come com os olhos, com o cheiro e com a boca? Prazer, essa sou eu!  Tenho problemas com diversos ingredientes na culinária e até hoje não tinha uma alma viva que me fizesse mudar de opinião quanto a certos pratos; eu detesto caldos, tenho horror a passas, não costumo gostar de mistura de doce com salgado em um mesmo prato e sempre achei queijo roquefort…blerght (eu sei que é fino dizer que adora roquefort mas podem me julgar a vontade, eu não curto!).

Eis que em um belo dia, passeava bela e faceira no shopping quando decidimos (eu e o maridex) experimentar o conhecido CT Brasserie. A única coisa que sabia sobre este restaurante é que era do chef Claude Troigros, mas o que eu não sabia é que ele mudaria todos os paradigmas gastronômicos da minha vida, ou quase todos!

Assim que você chega no restaurante é recepcionado pela hostess que já lhe apresenta sua mesa, a partir daí o garçon virá te atender. Ele te apresenta o cardápio, lhe faz sugestões de bebida ou de pratos de acordo com o seu gosto (claro que perguntam sua preferência) e tudo isto com uma simpatia e educação que muito me agradam. Eu detesto quando vou a restaurantes onde sou mal atendida, mas no CT o serviço é divino!

ctbrasserie

A casa é uma fofura, tem ares de bistrô parisiense com seus tijolinhos de metrô e muitas fotos e objetos do próprio Claude. Tudo isto faz você se sentir…em sua casa em Paris. A mesa fica arrumada com serviço de mesa de papel todo desenhado e com guardanapos de pano, o que eu curto muito! Além disso, há um espaço onde você pode escolher pães e doces para degustar ou para viagem, mas o difícil é escolher um doce só porque são lindos, parecem obras de arte! E vou contar para vocês…não é barulhento! Voilá…C’est parfait!

Neste dia fomos de couvert na entrada e não nos arrependemos pois estava muito gostoso; ele vem com diferentes pães e 3 tipos diferentes de pastas. Como prato principal eu pedi o Linguado crocante na quinoa com banana caramelizada, purê de baroa e passas acompanhado de arroz com quinoa. Passas? Sim, a própria, e pensei logo: “vou tirar todas elas do prato”! O maridex foi de massa. Quando meu prato chegou achei-o lindo e para minha surpresa, estava DELICIOSO. As passas? Comi todas elas uma a uma! Não sobrou nadinha! E a tal frescura de doce com salgado no mesmo prato…sumiu! Impressionante como ele conseguiu fazer um prato simples porém absurdamente saboroso e mudar completamente todo o meu paradigma. Como estava encantada com tudo, decidi experimentar a sobremesa e fui de petit gâteau de doce de leite com sorvete de tapioca, já o maridex escolheu seu amado creme brulée. Gente…Fui transportada naquele momento para o paraíso! Que coisa mais deliciosa! Aquele petit gâteau era de comer ajoelhada e agradecendo pelo sabor e o sorvete de tapioca estava divino, cremoso e vinha acompanhado de uma farofinha embaixo que nem sei explicar a maravilha de sabor.

Eu sei que não é um restaurante barato, mas se você quiser um restaurante com serviço perfeito, comida maravilhosa e uma sobremesa inesquecível para uma ocasião especial…Vale a pena experimentar! Pode sair caro, mas vai valer cada centavinho! Se ainda não se convenceu e está com medo do preço, pode consultar o cardápio do CT Brasserie na internet e se preparar para a conta, vale lembrar que eles tem o prato com meia porção, que sai mais barato e também o almoço executivo de segunda a sexta das 12h às 16h, o que compensa bastante!

E vocês, já foram no CT Brasserie? Me contem aqui no blog o que acharam! Espero que tenham gostado deste post e se quiserem ler tudo em primeira mão é só se inscrever no blog! Um ótimo dia para vocês com ares parisienses…

 

 

Prazeres à mesa em Penedo

Definitivamente esta semana eu só consigo falar de comida! kkk Será que eu estou com muita fome? Enfim…O importante é deixar vocês por dentro de alguns lugares que fui, provei e gostei! Até porque nos dias de hoje, gastar dinheiro à toa não dá; então qualquer dica boa é sempre bem vinda, pelo menos para mim!

Já falei em posts anteriores sobre Penedo, mas o que eu ainda não tinha falado é que a cidade além de muito charmosa e tranquila é ótima para…comer! Um verdadeiro deleite aos olhos e à gula. E eu que não sou boba nem nada, fui logo conferir esta fama de cidade “gourmet”; e posso afirmar com todas as letras: come-se muito bem em Penedo e há restaurantes para todos os bolsos. Até os mais carinhos, são mais baratos se comparados com os preços do RJ (que estão de infartar) e diferente do Rio, o serviço em Penedo é mais simpático. Então vamos ver por onde eu andei…

O restaurante que mais gostei em Penedo foi o Jardim Secreto. Você encontra o restaurante subindo o alto Penedo, um pouco depois do Hotel Daniela; ele fica em uma casa com um jardim muito bem cuidado e uma decoração charmosa com peças de demolição misturadas com artesanato brasileiro. O ambiente é um charme só! Fui já com a intenção de almoçar lá, mas quase perdi o almoço por causa da hora (cheguei tarde e sem reservas). Por sorte, conseguimos uma mesa muito confortável, fomos muito bem atendidos e uma vez instalados fomos decidir o nosso pedido. Mas eu não posso deixar de falar que o garçom que nos atendeu era uma simpatia! É tão bom quando o serviço é impecável e simpático.

Voltando ao pedido, começamos com uma bruscheta caprese e não nos arrependemos já que estava divina. Como prato principal, eu fui de risoto de limão siciliano com camarões e o maridex foi de costeleta de cordeiro com risoto de ervas. Gente…uma delícia! Eu gosto muito de risotos e para minha alegria era um verdadeiro risoto feito com arroz arbóreo e tinha uma cremosidade maravilhosa, ou seja, era um verdadeiro risoto (risotos feitos com arroz comum não ficam iguais aos preparados com arroz arbóreo), já o cordeiro do marido estava com uma cara ótima e segundo o próprio, no ponto! Para fechar este almoço pedimos um brownie de sobremesa. Já falei que AMO brownies? Pois é…e este era perfeito! A calda do brownie também era deliciosa e foi a desculpa perfeita para voltarmos ao restaurante outras vezes. Enfim…vá ao jardim Secreto e não deixe de provar este brownie.

Outro restaurante que visitamos e gostei da experiência, foi o Vernissage. O Vernissage, fica um pouco mais acima, subindo o Alto Penedo em uma estradinha que você não dá muita bola, mas quando entra no lugar…já percebe que é um local diferenciado. Neste restaurante é bom ter reserva, pois lota facilmente e a graça dele é se acomodar nas mesas que ficam bem ao lado da cachoeira. Saborear uma boa refeição com o barulho da água da cachoeira correndo, para mim é algo muito especial. E a comida não fica atrás, é tudo bem saboroso. Nós pedimos de entrada um creme de aipim com camarões e  estava uma delícia, já como prato principal, eu pedi um creme de baroa com arroz de brócolis e camarão, o marido foi de bife ao molho madeira com batatas. O prato vêm sempre bem decorado e todos estavam uma delícia. Aqui já não pedimos sobremesa porque já estávamos satisfeitos. Mas valeu cada garfada! Uma ótima experiência gastronômica.

Estava um friozinho convidativo para um fondue e fomos à caça de um até encontrarmos o restaurante Aglio e Olio bem no centrinho de Penedo. O Aglio e Olio é um restaurante mais em conta e com porções fartas e sua especialidade são massas. mas como lá tinha o fondue na pedra, decidimos pedir para experimentar. Sinceramente…me arrependi! O fondue era até bem servido, mas os molhos…eu achei todos muito sem graça. Parecia maionese misturada com alguma coisa que não fazia ideia e não era bom! Eu via os pratos das outras mesas passarem e fiquei com água na boca! Não recomendo o fondue porque achei gorduroso (o de carne, apesar de ser na pedra), os molhos muito ruins e não tinham muitas opções. O de queijo era até gostoso, mas só tinha pão e batata, achei fraco! Já o de chocolate, estava realmente muito bom! O fondue de chocolate era bem gostoso com o chocolate bem cremoso e achei que foi o único que valia a pena ali. Realmente não foi uma boa ideia comer fondue, mas na próxima vez, provarei as massas e quem sabe a minha opinião mude! Espero que sim…

No último dia desta experiência, digo, viagem gastronômica à Penedo, decidimos comer algo simples na própria pousada onde estávamos. Foi aí que conhecemos a Pizza da Villa, a pizzaria da Pousada e agradeço muito por tê-la conhecido. Além de pizzaria, também fazem bruschetas e burratas entre outras coisas. Meus olhinhos brilharam pela burrata da casa e assim começava o meu caso de amor pelas burratas! Uma burrata perfeita: simples, saborosa, com ingredientes frescos, uma muzzarela de búfala macia e deliciosa e uma crostata (massa branca assada e temperada) para acompanhar super crocante! Recomendo de olhos fechados! A pizza da casa também é deliciosa e como o forno é à lenha, a massa fica muito mais saborosa. E sabe o melhor de tudo? O preço é bem bacana! É um lugar aconchegante, porém sem muito requinte, mas com charme! Não deixe de ir…tenho certeza que você vai gostar!

Bem…eu vou parar de falar em comida porque já estou ficando com fome! Uma boa semana para vocês! Acho que vou tentar dar um tempo nestas postagens sobre comida kkkk. Mas se você gostou deste post, deixe seu comentário, ideia, critica ou sugestão, vou adorar responder; aproveite também para se inscrever no blog e ler em primeira mão os posts! Bye…

 

Estudando e comendo em Paris

Quem já leu este post, sabe o que fui fazer em Paris, mas se você ainda não leu (tsc tsc tsc) e está perdido…fui estudar Moda em Paris e neste tempo que passei por lá, por incrível que pareça, não tive muitas chances de ir a restaurantes e/ou lugares interessantes para comer, pois todos já devem saber que vida de estudante é dura e a quantidade de trabalho pós aula era tãaaaaao grande que…o tempo que sobrava era para estudar mesmo! Mas claro, acabei conhecendo alguns lugares e provando quitutes que realmente deixaram saudade. Fui a alguns lugares mas deixarei minha recomendação apenas ao que achei válido, prefiro não comentar sobre os lugares em que fui e a comida apesar de boa, tinha o serviço péssimo e o garçon insuportável! O que foi ruim…deixei para trás! Atemo-nos ao que realmente importa!

Um dos lugares que mais gostei durante essa temporada foi descoberto por acaso. Sabe quando a fome bate e você abre o aplicativo para procurar um restaurante bem cotado e gostoso (baseado nas opiniões de terceiros) e resolve arriscar? Pois foi bem assim que aconteceu comigo. Todos os caminhos me apontavam para: Les cocottes de Christian Constant e eu prontamente atendi ao chamado do destino: peguei um taxi com as outras meninas do curso e voilá… Quando cheguei ao local deparei-me com um mini-estabelecimento na rue Saint-Dominique, no 5º arrondissement de Paris. Mas para a minha felicidade assim que entrei achei o local confortável, acolhedor, fofo e o melhor de tudo: chegamos sem reservas e fomos bem atendidas! Quase que milagre para um restaurante francês. O garçon, muito atencioso (outra boa surpresa se comparado com os outros garçons parisienses), nos recomendou o  que nada mais é que bochecha de vaca ao molho com batatas cozidas (bochecha de vaca? Sim…neste momento um pensamento do tipo blerght se fez presente em meu ser, mas resolvi arriscar), e posso dizer que bendita seja a bochecha desta vaquinha. Estava uma delícia! O molho maravilhoso e encorpado ficou ótimo acompanhado de pedaços de pães…hummmm! Para não ficar falando muito, reparem na foto que vocês entenderão! Aprovadíssimo!

img_0961

Como boa brasileira, eu sou muito apegada ao bom feijão com arroz e quando digo apegada, é muito mesmo! E não deu outa: tive um surto psicótico de: eu vou morrer se não comer feijão com arroz e farofa neste momento! E olha, este surto foi sério. Eu não estou aqui para ficar bajulando a culinária francesa, longe disso, mas nunca pensei que sentiria TANTA falta da nossa comida brasileira. E a saudade bateu tão forte que fui procurar o restaurante brasileiro mais próximo de onde eu estava antes de morrer por falta de feijão. E foi neste momento que conheci o restaurante O Corcovado em Montparnasse. Ao chegar ao restaurante, pensei: CHEGUEI AO PARAÍSO! Fui recepcionada por um francês que falava português (já gostei! É tão bom ouvir a nossa língua materna quando estamos fora do país) que já foi dizendo: não temos mesa! MEU DEUS!!!! Após quase chorar compulsivamente e me dabater no chão (mentira, estou só dramatizando a situação, ok?), fiz cara de desespero e falei que tinha vindo de muito longe só para comer ali, bem…dito isso as portas da esperança se abriram e entrei no local junto com uma amiga também brasileira com saudade aguda de feijão.

O restaurante é pequeno, com decoração colorida, cardápio totalmente brasileiro com direito a pão de queijo, pudim de leite, coxinhas, feijoada, bobó de camarão, guaraná Antartica e claro, caipirinhas! Claudia, brasileira e Sebastien, francês, são os donos do restaurante. Ela é uma simpatia de pessoa e já foi logo nos acomodando; eu claro, expliquei a nossa situação: falta aguda de feijão e ela logo disse que ia caprichar. Nem preciso dizer que fui de feijoada e por míseros 16 euros fiquei muito feliz! E olha…muito bem servida e muito saborosa! Mas não satisfeita, dividimos um bobó de camarão que estava maravilhoso com camarões enormes! Voltamos rolando para o hotel, mas muito, muito contentes por comer feijão! E olha…voltamos outras vezes neste mesmo restaurante!

Passeando pelo Marais (adoro este bairro parisiense), não poderia deixar de degustar novamente um lanchinho super light: o falafel! E quando você pensa em falafel, você já pensa no L’As du Falafel, uma pequena portinha na rue des Rosiers onde a iguaria é vendida. Eu não sei vocês, mas eu adoro falafel e este em questão nada mais é que um sanduíche super bem servido. O local é minúsculo, o atendimento rápido e objetivo e o preço mega camarada! Você pede o seu sanduba com o que tiver direito e se quiser pede para caprichar no molho (eu nem peço pois já vem MUITO molho). O sanduíche vem no pão sírio com beringela frita, pepino, falafel entre outras coisas (um detalhe muito importante: não tem carne alguma aqui), todo enroladinho em um guardanapo amarelo (marca registrada do lugar rsrsrs) e um garfinho para te “ajudar” a comer o inofensivo falafel. Eu adoro! Duvido que você continue com fome depois dele!  Vale lembrar que eles não abrem aos sábados por conta da tradição hebraica.

Bem, acho que de lugares legais foram apenas estes. Nos próximos posts eu contarei minhas dicas de Paris sobre bibliotecas, museus e a moda francesa. Au revoir!!!!

A vida é um doce, em Paris!

 

Sou daquelas pessoas que tem vontade de comer doce diariamente e toda hora! para mim, a vida é um doce! Troco qualquer comida por um bom doce ou sobremesa, sem nem pensar duas vezes. E doce para mim tem que ter chocolate! Pudim de laranja, para mim, não é doce, simplesmente porque não tem chocolate! Entenderam minha obsessão por doces/chocolate? Pois bem…eis que fui à Paris estudar e uma das melhores coisas a se fazer em paris é aproveitar a sua patisserie. É de dar água na boca! Vou logo falando que nem tudo que reluz é ouro heim! Tem doce que é lindo na vitrine mas uma perda de tempo (e dinheiro) à primeira mordida. Então, saiba escolher e atente-se para um detalhe: os doces franceses não são muito doces (açucarados) como os doces brasileiros, mas definitivamente você tem de prová-los!

Vou confessar uma coisa para vocês, o que mais comi em Paris foi: éclairs! Todo dia eu comia um éclair. Mas você sabe o que é um éclair? O éclair é um doce da patisserie francesa que se assemelha ao formato da “bomba” aqui no Brasil, mas a massa do éclair é bem diferente da massa da bomba do Brasil e é oca por dentro, onde eles recheiam com o sabor desejado (geralmente ele vem recheado com creme de confeiteiro) e cobrem com glacê. Resumindo: o éclair francês parece a bomba brasileira mas é bilhões de vezes mais gostoso! Como sou chocólatra assumida, só comi os de chocolate! Gente, eu super recomendo que provem os éclairs na França, porque realmente são divinos e você não vai encontrar nada parecido aqui no Brasil. Dos que eu provei, gostei muito dos da Dalloyau. A história da Dalloyau começa quando Luis XIV traz sua corte para Versalhes em 1682. Assim que Luis XIV descobre o talento do padeiro Charles Dalloyau, o nomeia padeiro oficial da corte em Versalhes e em 1802, Jean-Baptiste Dalloyau abre a sua casa gourmande em Paris. História, à parte,  o que realmente interessa é que tudo da Dalloyau é delicioso, sejam seus doces ou mesmo a refeição, tudo vale a visita! Como não tinha muito tempo para me aventurar, fui na da Galeries Lafayette e provei claro, seus éclairs: amei!

Também gostei muito dos éclairs da L´éclair de Génie. Aqui você encontra uma infinidaaaaaaaade de éclairs e para os amantes de éclairs isso pode provocar fortes palpitações.  A L´éclair de Génie é apontada como “o” lugar para se degustar um éclair em Paris e tudo começou quando o chef Christophe Adam, após fazer um grande sucesso como chef pâtissier na Fauchon, fundou sua loja em 2012. A partir daí o sucesso foi estrondoso e hoje Christophe é considerado o papa do éclair. Eu fui no quiosque da Galeries Lafayette e claro que provei, mas como sou fiel aos sabores que me apetecem, fiquei no chocolate mesmo e não me arrependi nem um pouquinho! Vale ressaltar que os preços variam de acordo com o sabor do éclair, ok?

Mas e os macarrons???? Claro que comi, mas preferi provar outros macarrons. E foi a minha sorte! Se você acha que os macarrons da Ladurée são maravilhosos, prepare-se para provar algo infinitamente melhor: macarrons Pierre Hermé. Para quem não sabe, Pierre Hermé é conhecido como o Picasso da confeitaria francesa, tudo o que ele faz de algum jeito fica maravilhosamente delicioso e não podia ser diferente com seus macarrons: divinos! Gente…nunca comi um macarron com uma textura tão macia; ele derretia na boca e era crocante ao mesmo tempo! Para constar também, seus maccarrons são apontados como os melhores do mundo; pouca coisa, né?!? Alguns sabores são diferentes como flor de rosas (na verdade chama-se infinement rose), iogurte com limão, mogador (maracujá com chocolate), satine (laranja com cream cheese e maracujá), mas tem os sabores comuns como baunilha, caramelo, pistache, coco, tangerina e os macarrons de dois sabores como menta com chocolate entre outros. Os sabores podem mudar de acordo com a estação e com isso, novos sabores surgem também. O que nunca mudará será a sua vontade de voltar na loja para comer mais macarrons, até porque além da loja ser super elegante, os macarrons são tratados como itens de luxo e vêem em caixinhas fofíssimas. Para você ter uma ideia do tanto que eles levam a sério essa coisa do macarron, dentro de cada caixinha tem um menu dos sabores dos macarrons e outra com a coleção de macarrons da estação vigente, tal como acontece no mundo da moda. Luxo, né?!? Mas saiba que nem só de macarrons vive Pierre Hermé, também tem os chocolates, as glaces (sorvetes) e a patisserie; todos deliciosos assim como tudo o que ele faz!

Também provei ouro macarrons muito saboroso, os macarrons de Jean-Paul Hévin. Para quem não sabe, Jean-Paul Hévin é um mestre chocolatier francês com mais de 25 anos de carreira e que leva o chocolate muito a sério. para Hévin, o chocolate/cacau é uma matéria-prima de suma importância e por isso ele escolhe sempre os melhores para as suas criações. Mas apesar de ser muito conhecido por ser um dos chocolatiers (mestre chocolateiro) mais famosos da frança, o que provei mesmo em sua boutique na Galeries Lafayette Gormet foram seus macarrons. Realmente valem a mordida. Apesar de não serem baratos, são deliciosos e vêm numa caixinha muito elegante. Recomendo provar e se for trazer para o Brasil, deixe para o último dia, pois eles perdem a crocância rapidamente.

Ir à paris e não provar o chocolate quente da Angelina é um verdadeiro pecado! Eu como não gosto de pecar…fui na Angelina! A Angelina é uma casa de chá muito famosa em Paris. Existem várias Angelinas na cidade, mas a que fomos (eu e as meninas do Marangoni) fica na famosa Rue de Rivoli, em frente ao Jardin de Tuileries. A casa além do elegante salão de chá ao fundo, tem uma lojinha na frente onde você pode degustar os doces e chocolates ali mesmo ou comprar e levar para casa (sempre que dá, compro o chocolate em garrafa deles e trago para o Brasil, pois é muito bom). Como não sou boba nem nada, sentei-me no salão de chá e fui logo pedindo o meu “Mont blanc”, um doce a base de suspiros recheado com creme de leite e coberto por um creme de castanhas portuguesas que parecem fios de lã. Confesso que não gosto de castanha portuguesa, mas de alguma forma eu gosto deste doce, só acho que por ser beeeeeeem doce, ele tira o sabor do chocolate quente então quando for, peça um chá ou uma água para acompanhar ou então prove em dias diferentes para não estragar o sabor de ambos.

Mas se você estiver precisando de algo mais gelado, super recomendo provar o maravilhoso sorvete Berthillon. A sorveteria foi fundada em 1954 por Raymond Berthillon, onde antes funcionava o café Le bourgogne, também propriedade da família. Todos os ingredientes são naturais e isso se reflete no sabor inigualável! Só tem um detalhe: a única sorveteria Berthillon fica na Rue Saint Louis, 31 em L’ile e por conta disso às vezes tem filas enormes na porta. Além de sorvetes, a Berthillon tem também um salão de chás. Você até encontra outros restaurantes em paris que vendem os sorvetes da Berthillon, mas certamente só na sorveteria da Berthillon que você encontrará os mais de 70 sabores. Quando eu fui, além de provar o sorvete, comprei alguns doces: brownie e a tarte tatin de maçãs. O brownie é divino e vale ser degustado! Já o sorvete, é difícil escolher apenas um sabor. Minha gula sempre aponta para dois sabores: pistache  (meu preferido) e o de caramel au beurre sallé (caramelo salgado, muito comum na França e doce). Deliciosos!!!! E o melhor é que o preço não é tão salgado assim! mas se você quiser comprovar a rixa entre a Berthillon e a Amorino, a alguns passos de distância, há uma sorveteria Amorino (aquela que serve o sorvete em formato de flor) e você pode comprovar qual dos dois é o seu preferido. O meu sempre foi e será Berthillon!!!!

Pode falar de doce português em post sobre Paris? Pode!!!! Então falarei…Estava eu alegre e sorridente passeando pela Galeries Lafayette Gourmet quando me deparei com um quiosque de pastéis de nata de Belém chamado “Le meilleur pastel de nata de Lisbonne” by Aloma. Meu pré-conceito era: não gosto de doces à base de ovos, então…seguirei em frente! Mas como estava passeando com uma amiga portuguesa, ela logo me ofereceu o quitute e fui provar! Gente…neste momento o céu se abriu e eu vislumbrei o paraíso em apenas uma mordida! Meu Deus como é bom! O pastel lembra o formato de uma empada brasileira, mas a semelhança pára por aí. A massa do pastel de nata é deliciosa e crocante como se fosse uma massa folhada, o recheio cremoso, suave e gostoso e como a amiga portuguesa me ensinou, polvilha-se canela no pastel para acentuar mais o sabor e foi isso que fiz! Agora junte à esta maravilha, o fato do pastel ter saído naquela fora do forno e a um atendimento em português (de Portugual), muito atencioso e simpático. Um sucesso! Nem preciso dizer que voltei inúmeras vezes para comer este pastel de nata com canela polvilhada e tomar um cafézinho. Certamente este pastel entrou para a minha lista de doces preferidos da vida tal como o brownie, o éclair, brigadeiro e o petit-gateau. Enfim…provem e comprovem!

Comilança em Gramado e arredores

Hello gente linda! Hoje vou contar um pouquinho dos lugares que visitei, oooops, nos quais  comi, em Gramado e arredores. Eu não sei vocês, mas AMO comer! E para mim um lugar para comer também tem de me agradar em outros aspectos, não somente no sabor. Primeiramente, o local tem que ser agradável, confortável, com uma iluminação legal, quando entro em locais com o teto altíssimo, tudo branco e a luz fluorescente…me sinto em um hospital psiquiátrico (daqueles de filme americano kkk) e nem olho o cardápio…dou meia volta e Adiós! Eu sei que pode ser até um preconceito bobo, mas comer para mim é uma experiência em vários sentidos e se não me sinto confortável ou à vontade em um local, porquê deveria permanecer no mesmo?

Neste momento você deve pensar: nossa que doida! Pois é…de perto ninguém é muito normal. nem eu kkkk! Mas além disso, outro fator influencia e muito para o meu padrão de restaurante: limpeza; e não somente a limpeza do prato, mas também do ambiente, porque já desisti de comer em muitos lugares por achar o salão principal (onde as mesas são dispostas) sujo e desorganizado. Para mim, se a limpeza não inclui o salão principal (que é justamente o local onde o fluxo de pessoas é muito grande), imagina a cozinha deste estabelecimento? NANANINANÃO! Não dá! Em seguida, observo o serviço: os garçons são simpáticos, te atendem bem? Porque um serviço ruim espanta qualquer pessoa e confesso…Não costumo tolerar muita falta de educação e delicadeza à mesa e tratar uma pessoa mal no momento da refeição para mim deveria ser crime inafiançável (drama queen), imagina pagar para ser mal servido? Estou fora!

Outra coisa que observo muito é o preço! Não nasci milionária, (quem sabe na próxima encarnação?) então para mim, um restaurante tem que ser acessível ao meu bolso. Não vou me apertar para poder comer em um restaurante caro só porque o mundo inteiro diz que é bom. Até porque, o mundo inteiro pode ter um gosto diferente do meu. Obviamente que já fui a restaurantes mais caros, mas fui sabendo o que me aguardaria; sempre leio o cardápio na internet antes de experimentar, pois acho deselegante sentar e do nada ir embora e mais deselegante ainda pagar um preço abusivo por uma refeição que não vale nem um décimo de seu preço. E por último, mas não menos importante: o sabor da comida. O  perfume do prato e a organização da comida também contam. Hummm…Já está me dando fome. Enfim, quando consigo encontrar um lugar em que todos os aspectos mencionados são perfeitos, me sinto entrando no céu! Então, baseado na minha seletividade para escolher restaurantes, recomendarei alguns dos lugares que visitei e que gostei bastante. Vem comigo…

Colina Verde em Nova Petrópolis

Só de lembrar a comida já começo a salivar. O local te conquista primeiramente pela vista: UAU! Imagina almoçar em um restaurante no alto de uma colina cercado pela vegetação nativa da Serra gaúcha e respirando um ar puro de encher os pulmões; e olha que você nem entrou no restaurante. Imaginou? Agora entre e se sinta numa casa ítalo-germânica, com direito a lareira, decoração fofa, funcionários vestidos a caráter, muitos prêmios do guia quatro rodas na parede, um ambiente acolhedor e uma profusão de comida que parece não acabar nunca! E o que dizer do preço? Até barato se comparado aos praticados no Rio de Janeiro para comer apenas um prato! E vou confessar, não consegui provar tudo, não cabia kkk. Mas provei muita coisa que jamais imaginei gostar, como nuca de porco (eu não curto carne de porco, mas estava muito saborosa), matambre e uma infinidade de outras iguarias deliciosas. E quando você acha que já acabou, eles te oferecem a sobremesa: uma bandeja cheia de opções de sobremesas e você logo pensa: vou escolher uma; mas aí você descobre que a sobremesa é a vontade, ou seja, se você quiser comer TODAS as opções da bandeja…ok! A única que não está incluída é o apfelstrudel de maçã (minha gula nem sentiu falta naquele momento).  O suco de uva também é divino e inclusive o suco de uva rosé/moscatel (nunca tinha visto mas gostei muito).Gente…uma orgia alimentar inesquecível! Vale cada caloria ingerida!

Il Piacere em Gramado

Este restaurante é anexo ao Hotel Giardino di Pietra, no qual estava hospedada, na Avenida Borges de Medeiros e vale muito a visita. Você deve estar pensando: mas com tanto restaurante em Gramado, você comeu no restaurante do Hotel em que se hospedou? Sim! O restaurante é aconchegante, o serviço é muito bom, o preço é mais salgado (vale lembrar que em Gramado os restaurantes são mais caros, ok?), mas não tem como você não entrar…o cheirinho da pizza a lenha te convida a todo momento. O forte da casa são as carnes, mas sabe aqueles dias em que tudo o que você quer na vida é uma fatia de pizza generosa? Pois bem, foi este dia! E não me arrependi! Sou muito fã de pizza e lá existe a Margherita gourmet: muzzarela, molho de tomate, grana padano, queijo de búfala, tomatinho italiano e manjericão. MEODEOS!!! Adentrei o paraíso naquele momento, juro! Também provamos a pizza Il Piacere que também é muito saborosa. E como se não bastasse, fechamos com uma de banana (Semigelia) e de doce de leite com castanha de cajú (Pará). As pizzas são muito saborosas, a massa é fininha, crocante e fresca. Valeu a pena!

Cantina Pastasciutta em Gramado

Mangia che te fa benne! Quer comer uma comida veramente italiana? Saborosa? Bem servida? Então este é o lugar. O Pastasciutta fica na mesma Avenida do Hotel em que me hospedei, a Av. Borges de Medeiros. Já aviso que chegar depois das 20h significa mofar na fila de espera pois o local é super conhecido e concorrido. Mas se puder aguardar na fila…não vai se arrepender! Ao entrar na Cantina, você é transportado para a Itália imaginária: decoração nas cores verde, branco e vermelho; toalhas quadriculadas em algumas mesas; presuntos e queijos pendurados, uma ilha de antipasti que é uma perdição, garçons solícitos e…fartura nos pratos! Os preços são salgados, masssssss é MUITO bem servido, ou seja, quando indicar que um prato serve 2 pessoas, acredite: serve até 4! Eu não sou boba nem nada e já fui logo na ilha de antipasti provar a bruschetta e as pastinhas maravilhosas de lá (vale ressaltar que os antipasti são à parte e são por kilo). O esquema no Pastasciutta é escolher o tipo de massa (são 12 tipos diferentes) e então escolher o tipo de molho; o preço é de acordo com o molho escolhido. Pedimos um talharim com molho de camarão divino, mas provei a lasanha da casa que vem com frango e só posso dedicar todo o meu amor à esta lasanha (detalhe que não curto lasanha, mas esta realmente me pegou de jeito). A lasanha é bem servida, serve até 4 pessoas (desde que não estejam muito famintas) e o talharim creio que serve até 3 pessoas. Saí de lá feliz, contente, e um pouco mais italiana! kkk

Chateau de la Fondue em Gramado

Sabe quando você quer comer em um local especial, com luz baixa, velas, música ao vivo, serviço primoroso e comida maravilhosa? Então, eu queria algo assim para comemorar meu aniversário e decidi experimentar o Chateau de la Fondue. O Chateau fica na Rua João Corrêa, ou seja, muito próximo da Avenida Borges de Medeiros, onde me hospedei e já aviso que a casa é bem concorrida aos sábados, então procure chegar antes das 20h. O ambiente é acolhedor com velas nas mesas e luz baixa, uma extensa carta de vinhos, decoração elegante e música ao vivo (que eu não curti, pois achei que o cantor apenas “recitava as músicas”). Já que eu estava numa casa tradicional de Gramado, decidi provar a famosa “sequência de fondue” na pedra e acertei em cheio! Existem inúmeras casas de fondue em Gramado, mas para mim o Chateau de la Fondue é inigualável! A sequência é cobrada por pessoa, mas inclui o fondue de queijo, que acompanha batatinha cozida, pedaços de pão, brócolis japonês cozido e goiabada; o fondue de carnes feito na pedra, que tem frango, carne de porco, filé mignon e linguiça e mais 12 tipos de molhos repostos a hora que desejar e o fondue de chocolate com oito tipos de acompanhamentos como banana, morango, maçã, melão, uva, entre outros. Eu só tenho uma palavra para descrever esta experiência: deliciosa! O fondue na pedra é gostoso porque as carnes saem  sequinhas (detesto comer fondue tradicional e pegar a carne boiando no óleo) e você consegue comer com os molhos sem se sentir enjoado pela quantidade de óleo comum nos fondues tradicionais. Eu confesso que continuei comendo porque o olho grande é maior que tudo em mim! Mas realmente é muita coisa para se comer, então acho interessante experimentar a sequência de fondue na pedra com calma, conversando, curtindo o momento romântico e especial e de preferência em um dia que você não esteja de barriga cheia (falou a gulosa em pessoa kkk). Enfim…apesar de caro em comparação às outras casas de fondue de Gramado, posso dizer que esta foi a única que decidi recomendar porque é realmente maravilhosa.

Zelão Churrascaria em Gramado

Visitar o Sul do Brasil sem ir a uma churrascaria é um verdadeiro pecado. Pecado este que nem me importei muito, já que não sou muito fã de carnes; mas esta realidade estava com os dias contados. Ainda em Gramado, na Avenida das Hortênsias, passamos em frente a Churrascaria Zelão e como estava próximo da hora do almoço (a barriga avisou o horário), decidimos estacionar e entrar. Vocês podem até rir de mim, mas a primeira coisa que percebi foi: teto alto! De cara eu não curti muito, mas decidi dar uma chance e experimentar, afinal de contas, o teto era alto, mas era todo de madeira e a luz não era fluorescente kkk! Enquanto me dirigia à mesa, fui reparando em todo o local: trata-se de uma churrascaria frequentado por locais, com um amplo salão, um serviço muito atencioso, comida saborosa (as carnes também) e preço compatível com o de churrascarias. Já que estava ali, fui me abastecer de saladas e pasteizinhos – eu adoro pastel, mesmo em churrascarias, nas ilhas do local. Há uma ilha para queijos e antipasti e outras duas ilhas com outras opções de comida; as carnes são oferecidas na mesa e preste atenção para provar a costela assada no local…divina! Não saia sem prová-la. Mas se quiser algo mais “low profile“, prove o maravilhoso pão de alho e se puder traga um para mim kkk. Como se não bastasse toda aquela comilança, avistei o carrinho dourado do pecado, digo da sobremesa, passando pelo salão e imediatamente garanti um pedaço de bolo de chocolate, porque não sou boba nem nada. Como de praxe, a sobremesa é cobrada à parte mas foi aprovada, muito gostosa! Bem, eu já disse que não ligo para carnes, mas a carne da churrascaria Zelão vale a sua visita!

Chocolate Lugano em Gramado

Em Gramado você encontra 2398734735463526 opções diferentes de chocolaterias e fica até complicado escolher em qual delas você entra. Mas eu já conhecia a Lugano de outos carnavais e como sabia que era uma delícia, entrei de novo! Fui na Lugano da Borges de Medeiros não só pelo chocolate, mas vou confessar sem vergonha alguma: queria me sentar na cadeira de lá que me lembrou a cadeira do filme Alice no país das maravilhas kkk.  Sentei-me na cadeira da Alice e rapidamente o chapeleiro maluco (garçom) veio me atender; senti-me tão rycah que decidi pedir um chocolate quente para dar “pinta” e estava mesmo uma delícia; já meu marido foi conquistado pela foto de uma linda torta de tiramissu do cardápio e voilá…foi a pior “torta”de tiramissu que provei na minha vida, realmente gordura pura, fuja deste tiramissu do mal! Já os chocolates…Adorei! A loja é também uma fábrica e anexo à ela funciona o museu do chocolate. Preciso dizer que de tanto chocolate que comprei entrei sem pagar no museu? Acho que não, né?!? Mas foi bem isso! O museu é bem bacana, com esculturas esculpidas em chocolate puro e o cheiro é inebriante. Dentro do museu da Lugano você ainda prova um copinho de chocolate (branco ou ao leite) da casa enquanto observa uma linda Torre Eiffel toda em chocolate. Olha, é uma perdição de passeio! Na Lugano você também encontra chocolates diet e sem lactose, então não espere e vá logo!

BierGarten ou Alemanha Encantada em Gramado

Quer comer um podrão caprichado com sotaque alemão em Gramado? O Bier Garten esta aí para isso! Este restaurante é meio “temático”; na entrada tem uma torre muito alta (que é até ponto de referência do restaurante onde você paga para ver a vista lá de cima, mas não fui na torre , conhecida como Torre da Princesa Rapunzel) na entrada e um lago com decoração alemã. Os funcionários te atendem vestidos a caráter e fica bem próximo ao Lago Negro. Como a fome bateu mas não era grande, fui de cachorro quente e posso dizer que estava uma delícia! A salsicha é bem saborosa, a mostarda também e até mesmo o chucrute que não me agrada muito…agradou! Recomendo para refeições rápidas.

Holic em Canela

Você gosta de macarrons? Se você gosta, precisa visitar a Holic, em Canela. A Holic é uma patisserie francesa localizada quase em frente à Catedral de canela, na Avenida Borges de Medeiros e vende não só macarrons mas também doces maravilhosos, espumantes e cafés. Tudo é feito nos mínimos detalhes. Ao entrar na patisserie você se sente na França! Os doces parecem saídos de um editorial gastronômico e você fica até em dúvida se podem ser comidos porque são tão bonitos…Mas o melhor de tudo é que o atendimento é realmente muito bom. Eles explicam cada doce e como já devem ter percebido, sou uma formiga, por isso, escolhi alguns macarrons para degustar no local (gostei muito do de bergamota = tangerina) e comprei outros docinhos para degustar no Hotel. Meu preferido é o doce chamado Chocaholic, uma delícia, mas também gostei muito do 220 Volts, do Pecadora e claro, do Opéra. Enfim, qualquer doce no Holic é uma delícia; vá e prove!

Por hoje é só de dicas gastronômicas, mas nos próximos posts darei mais dicas de Gramado. Gostaram do post? Então deixe seu comentário, sua dica ou crítica e não esqueça de se inscrever no blog para receber as novidades em primeira mão. Bye e bom fim de semana…