Comendo MUITO bem em Cusco

Olha quem está de volta para contar sobre a gastronomia peruana, ou melhor: cusqueña! Pois é exatamente isso que vim fazer aqui hoje, contar um pouquinho sobre os lugares mais bacanas onde comemos em nossa visita à Cusco. É claro que esse post reflete a minha humilde opinião, mas achei que estes lugares mereciam ser mencionados aqui. Quanto à vocês, fiquem à vontade em experimentar o restaurante que melhor se adapte à sua preferência; só posso garantir uma coisa: come-se MUITO BEM em Cusco! Venha conferir…

O primeiro restaurante que visitamos assim que chagamos em Cusco, foi o já conhecido e muito comentado “Cicciolina“, que fica na Calle Triunfo, uma ruazinha bem estreita e pitoresca de Cusco e relativamente próxima à Plaza de Armas. O Cicciolina pode ser difícil de ser encontrado, já que fica no 2º andar de uma construção amuralhada com um pátio externo onde tem outras lojas e restaurantes, mas achando um muro branco e azul, é só entrar! Nós chegamos no Cicciolina sem reservas e na hora do almoço e até que foi fácil conseguir uma mesa. O restaurante tem um ambiente bacana, com paredes vermelhas, teto alto com troncos de madeira aparente e uma iluminação levemente quente (luz amarela). Há também um bar de tapas que fica logo na entrada e é bem interessante com uma decoração rústica-chic. Nós preferimos uma mesa no salão, que não era muito boa, ficava um pouco escondida; então se a ocasião for especial, peça uma mesa próxima à janela, porque a vista é melhor e a luz também.

Quanto ao serviço, achei razoável; podia ser mais simpático e rápido. Já a comida, me pareceu cara em comparação aos outros restaurantes de Lima (eu já escrevi um post sobre os restaurantes em Lima). Quando digo cara, entendam que a média de pratos era de $50,00 soles peruanos, o que sai um pouco mais caro que em real. Mas e a comida? Bem…é gostosa, mas sinceramente, não achei nada extraordinário, apenas gostosa. Pensei que fosse melhor já que o Cicciolina é muito recomendado em todos os blogs de viagem. Além disso, o que pesou mesmo foi a porção pequena, ou seja, é caro para a quantidade de comida. Eu pedi um filé mignon com papas e molho e estava saboroso, já o maridex também foi de carne, mas fiquei com pena dele porque a quantidade do prato para quem está com fome não é suficiente kkk. Como estávamos com fome depois do prato principal e dos cubiertos (tipo um couvert com pães variados, manteiga e azeite), decidimos pedir a sobremesa e estava saborosa também, mas nada que se compare ao creme brulée de bananas do restaurante Saqra, em Lima! Para mim, foi um almoço nota 7,5! Desculpem-me mas sou exigente! kkk

Se você estiver com o dimdim contadinho, não tem problema! Come-se bem em Cusco e até mais barato que no Brasil! Se estiver com fome mas totalmente sem grana, renda-se ao podrão cusqueño kkk! Ou seja, churrasquinho de rua super saboroso e com direito a batatinhas no espeto junto com a carne. Além de cheiroso, gostoso e farto (o espetinho é muito grande), custa apenas $5,00 soles peruanos. Eu provei porque o cheiro estava tão bom, que não resisti! Gostei muito, viu! Recomendo experimentar: fica em uma ruela (Calle Loreto esquina com a Calle Maruri) beeeeeem estreita na lateral da Igreja da Compañía de Jesús.

Ou, se você estiver na pindaíba mas ainda tiver condições de comer em um restaurante, vá onde os locais comem: restaurante Yola, na Avenida Pardo, paralela à Avenida Sol. Atenção: não é um restaurante turístico, então não espere luxo. A comida é bem saborosa, a porção é farta e para ser sincera, eu pedi 1/2 porção e fiquei bem satisfeita, pois dá para comer já que a 1/2 porção alimenta bem uma pessoa. Uma curiosidade interessante é que durante o meu almoço neste local, entrou um homem com um violão e começou a cantar a música do Roberto Carlos (que não sei o nome rsrsrs) “esse cara sou eu…”. Achei muito bizarro estar em Cusco e ainda ouvir Roberto Carlos em um restaurante local! Voltando ao restaurante, o preço é bem camarada: cerca de $15,00 soles por uma refeição. Eu fui de Lomo saltado e estava macio. Só não pedi sobremesa porque não achei nada que me agradasse ali. A comida é boa, mas vá sabendo que é um restaurante simples!

Caso queira provar um bom ceviche, eu super recomendo o Barrio Ceviche que fica bem na Plaza de Armas e tem uma vista bem bacana. O ambiente é muito agradável, o serviço muito simpático e solícito e faço um elogio ao cozinheiro Perez com quem conversamos no bar e nos explicou muito bem as diferenças das batatas e de algumas leguminosas de seu país. Uma simpatia só!

O pisco sour de lá é muito bom também e o bar é todo decorado com motivos marinhos, assim como o banheiro (que é uma fofura e cheio de conchas). O preço já é mais salgadinho, mas vale a pena! De “cubiertos” (couvert) eles servem chips de papas amarillas e milho assado; é diferente mas bem interessante. Quanto aos nossos pedidos, nós fomos de “causa de langostinos” de entrada e dividimos um ceviche clássico (que vem bem servido e dá para dividir se você não estiver com muita fome). Os dois estavam divinos! A entrada era bem diferente, mas muito saborosa e o ceviche muito refrescante e ao mesmo tempo picante na medida. Se estivesse com fome, comeria até mais, mas eu já tinha comido um espetinho muito saboroso…lembram? kkk

Se a fome for de fast food, por que não uma versão peruana? Pois saiba que tem sim e se chama Papacho’s! Esta é a “versão peruana” do Outback, já bem conhecido aqui no Brasil. O Papacho’s é bem famoso no Peru já que seu dono é ninguém menos que Gaston Acurió, um dos chefs peruanos mais conhecido mundialmente e talvez o que tenha apresentado a culinária peruana para o resto do globo com suas releituras cheias de vida e usando ingredientes locais. Mas voltando ao Papacho’s, aqui a ideia é comer hamburguer e não é qualquer hamburguer, é aquele hamburguer gourmet deliciosamente preparado e acompanhado de fritas servida com uma farta porção.

Claro que você também tem opções de pratos de comida, mas vá por mim…experimente os hamburguers! Nós fomos à noite e a casa fica no entorno da Plaza de Armas e tem uma vista bem bacana da janela. O público é mais de jovens já que tem happy hour, drinks diferentes e um ambiente meio pub. O serviço é bacana e a comida também, já os preços…mais salgadinho! Nós pedimos de entrada a “Tapitas papacheras” que me parecia uma bruscheta (eu amo bruschetas) com molho bem apimentado, sour cream, bacon, queijo e outras coisas que não consegui identificar mas que eram deliciosas! Já começamos bem e depois fomos de hamburguer. Eu pedi o “Miraflorina” que veio com queijo,bacon, tomate, alface, cebola crocante, picles e molho barbecue: delicioso! O maridex foi de “Papacha” com bacon, anéis de cebola, queijo roquefort, tomate e alface e segundo ele também muito saboroso! Todos eles vieram com fritas de acompanhamento e depois de toda esta comida nem sobrou espaço para a sobremesa! Mas eu voltaria todos os dias no Papacho’s feliz da vida! Na verdade eu gostei mais da entrada do que do hamburguer, uma vez que adoro bruschetas! Vale experimentar também os milk shakes de lá, pois são deliciosos. O que não pode é ficar de fora do Papacho’s! Vá e depois me diga o que achou!

Mas se a sua vibe for algo menos peruano e mais italiano, saiba que tudo pode acabar em pizza em Cusco! Sim…há muitas pizzarias no entorno da Plaza de Armas e nós decidimos nos aventurar em uma beeem local: a Chez Maggy Pizzerias! Decidimos mais pelo cheiro kkk! O cheiro estava tão bom que nos restou entrar e experimentar a pizza. Para os mais frescos, aqui não tem muita opção de bebidas, é refrigerante (coca-cola, inka-cola) ou água! Como eu não bebo refrigerante, me restou a água…sem gás! Porque aqui não tem água com gás e atenção: não espere encontrar gelo no copo, viu! Você terá que pedir e mesmo assim, não é todo lugar que tem gelo. Quanto ao ambiente, era bem simples, rústico mas aconchegante. O atendimento é informal. As mesas são compartilhadas e as pizzas são feitas na hora, bem na sua frente e assadas em forno a lenha. Os preços são interessantes, uma vez que pizza não é muito a cara de Cusco, mas as redondas são bem saborosas! Mas olha…vá com a mente aberta porque luxo você não encontra aqui! Sabor, sim!

E vocês? Já comeram em algum destes lugares em Cusco? Contem aqui nos comentários e deixe suas dúvidas, críticas ou sugestões. Aproveite e inscrevam-se no blog para ficar por dentro das dicas e das novidades e se você gostou deste post, deixe um like! Por hoje é só gente linda! Mas volto em breve com muito mais! Um beijo grande com sabor cusqueño e até a próxima…

 

Barrio Ceviche
Portal Harinas 181 | Plaza de ArmasCusco, Peru
+51 84 26633
Portal de Belen 115 Plaza de ArmasCusco 0801, Peru
+51 84 245158
Cicciolina
Calle Triunfo 393 | 2do PisoCusco, Peru
+51 84 239510
Yola Restaurant
Avenida Pardo 789Cusco, Peru
+51 84 223377
Chez Maggy Pizzerias
Calles 365Cusco 0054, Peru
+51 84 246316

Cusco é tudo de bom!

Bom dia gente linda!!!! E as dicas de viagem ao Peru ainda não acabaram! Hoje vim contar um pouquinho sobre minhas primeiras impressões e dicas básicas em Cusco, mas já adianto que Cusco é uma fofura nível master e talvez seja a cidade mais colorida e “pinterística” que eu já visitei. Quer saber sobre tudo? Então me segue que vou contar…

Para começar, nós chegamos à Cusco de avião vindo de Lima (já dei dicas de Lima em outro post) e fomos recepcionados no aeroporto pela equipe do Viagens Machu Picchu que nos levou até nosso hotel, o Anden Inca que fica na Calle Saphy e já fomos tomando o famoso chá de coca para a aclimatação já que Cusco fica MUITO acima do nível do mar.

Eu não gostei do chá de coca, achei-o muito amargo, mas como não passei muito mal, confesso que desisti do tal chazinho. Mas se você passar muito mal por causa do soroche (o mal de altitude) aconselho experimentar as bombinhas de oxigênio que são vendidas em quase todas as farmácias em Cusco ou até mesmo no seu hotel, além de se hidratar muito.

Cusco

Voltando ao Hotel…O Hotel é bem aconchegante, com detalhes bem legais na decoração do hall de entrada, mas já aviso: é cheio de escadas e isso pode ser um problema para quem está sofrendo do soroche. Outro ponto que deve ser levado em conta é que ele fica em uma rua de ladeira e fica um pouco afastado da praça principal (cerca de 2 quadras), e como você certamente vai cansar mais rápido por causa da altitude, subir 2 quadras pode ser sim uma questão a se levar em conta na hora de escolher o hotel.

O quarto era confortável, com aquecedor portátil, uma cama grande mas…com travesseiros desconfortáveis: ou muito altos e duros como pedra, ou muito baixos. Outro detalhe importante: não tem frigobar no quarto e me parece que isso é comum nos hotéis em Cusco. O hotel oferece café da manhã mas não espere muito dele porque pode decepcionar; mas como o hotel só serviria para dormir, até que levamos numa boa. Ou seja, se puder ficar em um lugar mais próximo da Plaza de armas e mais aconchegante, acho que será uma boa escolha!

O recomendável no primeiro dia de Cusco é que você descanse um pouco justamente por causa da altitude e foi exatamente isso que NÃO fizemos kkk. Fomos passear pela cidade e ficamos encantados com tudo! Cada cantinho mais pitoresco que o outro e as pessoas são muito simples e educadas.

As crianças brincando nas pracinhas, muitos cachorros nas ruas, muito artesanato, muitos turistas mas todos felizes e convivendo na maior paz. Nós precisamos fazer câmbio de moeda e fizemos na loja Super Cambio que fica localizada na Avenida Sol, a principal Avenida daquele centrinho. Atente-se que o câmbio em Lima é mais favorável que em Cusco, então prefira trocar seu dinheiro em Lima.

Cusco é tão interessante que flanar por suas ruelas e becos é um programa e tanto! É uma explosão de cores em cada canto e fica até difícil dizer qual o cantinho mais interessante da cidade. Nestas andança, aproveite para experimentar a gastronomia local (falarei mais em outro post), mas ande, porque seus olhos ficarão extasiados com tamanha beleza.  Dá para fazer muita coisa a pé em Cusco, mas os sítios arqueológicos já ficam mais distantes e não dão para ir a pé, ou seja, só de transporte feito por alguma empresa. Caso você esteja por sua conta existem muitas empresas que fazem estes passeios e você as encontra na Plaza de Armas e no seu entorno, é só escolher a de sua preferência. Se preferir, pode visitar os vários museus da cidade.

Se por acaso estiver procurando por internet wi-fi em Cusco saiba que até tem, mas não espere encontrá-la em todos os cantos ou estabelecimentos. Na dúvida, entre no Starbucks da Plaza principal e compre algo para poder ter a senha de acesso à internet wi-fi, ou…compre um chip de telefonia peruano para poder usar internet no país. O chip você encontra no mesmo local da casa de câmbio: na Avenida Sol, aliás você encontrará tudo nesta Avenida, mas em Lima,o valor do chip é mais barato. Lembre-se também que o chip de telefonia móvel só funcionará se o seu celular for desbloqueado.

Caso você decida fazer um passeio mais “nativo”, um lugar muito bacana para visitar ou mesmo ver como funciona o dia a dia dos locais, é visitar o Mercado São Pedro, que fica a uma curta caminhada de uns 20 minutos da Plaza de Armas. Neste Mercado você encontrará muitas opções de alimentação (que eu não me arrisquei a comer) bem em conta e verá como funciona a base da alimentação em Cusco com muitos milhos, frutas, inúmeros tipos de batatas, algumas um tanto curiosas; pães enormes que os viajantes levavam em suas viagens pelo país assim como poucos itens de artesanato e tecidos. Só tomem cuidado porque você não está na Disney então tenha cuidado com seus pertences e para àqueles que adoram tirar foto de tudo…muitos trabalhadores locais não gostam e reclamam muito, então evite problemas e seja discreto com as fotos.

Uma vez no Mercado, eu super recomendo comprar algumas frutas e provar sabores que não encontramos aqui no nosso país, eu provei a grenadilla e achei uma delícia. Para os amantes do café como eu, indico o café “Cholita” que seria o nosso “Pilão” no Peru pois é muito saboroso. Se a sua praia for a gastronomia aqui é uma parada obrigatória com muitos temperos e opções diferentes de chás, inclusive o chá de maca, muito conhecido no Peru. Só atentem-se para o tipo de embalagem que estes itens vem, pois não se pode entrar no Brasil com alguns produtos se a sua embalagem não for a vácuo. E lembrando sempre: você até pode comprar folhas de coca para mascar durante sua viagem, mas nem pense em trazer para o Brasil: são proibidas! Evite problemas com a polícia e a alfândega.

Em Cusco é tudo muito colorido, então já dá para imaginar o artesanato local…um deslumbre! Eu gosto muito de cores na decoração e fiquei apaixonada pelos tecidos, toalhas de mesa, capas de almofadas e afins, mas uma boa dica aqui é pechinchar! NUNCA compre na primeira loja que visitar e nunca aceite o primeiro preço. Eu sei que pode parecer falta de apreço pelo trabalho manual alheio mas é prática comum pechinchar então eles colocam o preço bem alto porque sabem que será negociado. Para quem gosta de artesanato, o local onde encontrei o melhor preço foi o Centro Artesanal,  um mercado de artesanato local localizado na Avenida Sol. Este mercado fica há uns 25 minutos de caminhada da Plaza de Armas e lá você encontra todo tipo de artesanato (roupas, sapatos, brincos, bibelôs, artigos decorativos para casa, quadros, espelhos e itens de pele de animais) reunido em um só local. Mas a regra da pechincha continua a mesma aqui viu! Eu comprei capas de sofás e toalhas de mesa bem mais em conta do que nas lojinhas em torno da Plaza de Armas, então vale a caminhada!

E vocês, já conheciam Cusco? Contem aqui nos comentários o que acharam da cidade ou compartilhem suas dicas, é sempre bom trocar informações de viagens. Quer mais dicas ou ficou com dúvida? Pergunta que responderei o mais breve possível. Espero que tenham gostado deste post e que o mesmo tenha ajudado no seu planejamento de viagem. Se gostaram, deixem um like e não esqueçam de se inscrever no blog para ficar por dentro do meu universo. Um beijo cheio de boas energias e até o próximo post…

Restaurantes em Lima: Nham!

“Comida é arte, comida é vida! Você tem fome de quê? Você tem sede de quê?”

capa comida

Bom dia gente linda, elegante e sincera! Vambora falar de um assunto super gostoso? Pois bem, hoje contarei um pouquinho sobre minha experiência com a gastronomia peruana em uma recente viagem, na verdade hoje abordarei os restaurantes que visitei em Lima e tudo o que eu achei. Vem comigo…

Eu não sei se vocês sabem, mas a gastronomia peruana é mundialmente conhecida e ultimamente o Peru sempre está presente na lista dos melhores restaurantes do mundo, o que quer dizer que se você pretende visitar o país, você PRECISA provar desta gastronomia, só não precisa provar a inca kola rs. Mas antes de começar a falar sobre tudo o que comi em Lima, vale prestar atenção em um detalhe: reservem mesa com antecedência nos restaurantes peruanos. Nós queríamos muito conhecer o restaurante “Central” do chef Virgilio Martinez, eleito pela segunda vez o melhor restaurante da América Latina, mas infelizmente não conseguimos, as reservas estavam esgotadas até o final deste ano, uau!!! Diante desta realidade, resolvemos nos aventurar por casas menos famosas, mas não menos saborosas.

Para o nosso primeiro almoço em Lima, reservamos uma mesa no Restaurante “La rosa Náutica” que fica literalmente no meio do oceano e tem uma vista muito bonita. Este restaurante foi inaugurado em setembro de 1983 e desde então mantém a preocupação com o alto nível de seu serviço e funcionários. Em 2008 ele começou o processo de expansão do nome virando franquia e hoje está presente não só no Peru como na Colômbia e na Argentina.

Eu indico fazer reserva e solicitar uma mesa que fique próxima da janela porque a vista é MUITO melhor e comer com vista é tudo, não é mesmo? Acredito que este local seja perfeito para ocasiões especiais, pois além da vista, há todo um cuidado por parte dos funcionários e garçons da casa tanto no atendimento como na comida em si. Há também um pianista tocando no local o que já deixa qualquer almoço mais especial e uma curiosidade que achei bem engraçada é que o cardápio das mulheres não tem o preço escrito, apenas no cardápio entregue aos homens rs.

Para começar os trabalhos, eu fui de Lomo saltado, um prato bem típico que consiste em um tipo de guisado de carne de vaca com pimentão e cebola, papas fritas amarillas, ovo frito e arroz branco com choclo, que é um milho branco gigante. O arroz não tem muito sabor, mas ele casa perfeitamente com a carne porque esta sim é super temperada e muito macia. A cebola desmanchava na boca e por incrível que pareça até o pimentão estava saboroso (eu não curto pimentão); as batatas amarillas tem um gosto completamente diferente das nossas batatas mas são deliciosas. O maridex foi de corvina na pedra com creme de ají (um tipo de pimenta que não pica muito) e limão, com arroz e choclo frito com creme de ají maduro que dava até para ver a fumacinha saindo: hummm! Claro que eu também tirei uma provinha do prato do marido e gente…uma delícia. Sabores totalmente diferentes do que estamos acostumados aqui no Brasil, mas muito gostosos.

De sobremesa eu fui de torta trufada de chocolate (um pedaço enorme de torta com fatias de morango, calda e sorvete de chocolate) que eu não aguentei comer tudo porque era enorme, então vale dividir esta sobremesa; o maridex foi de “café de popa” (sorvete de café feito na casa, banhado com licor de café e expresso e medialunas de creme chantilly), que segundo ele estava mais bonito que saboroso. Apesar de não ter sido a melhor comida da viagem toda, foi o melhor “Lomo Saltado” que comi no Peru. A comida estava muito saborosa, o suco de manga bem gostoso e a cerveja local, a Cusqueña agrada até os mais exigentes paladares. Toda esta orgia gastronômica saiu um pouco mais de 200 soles peruanos, o que achei bem digno diante do nível do restaurante.

Para o jantar no primeiro dia de viagem fomos no Restaurante La Huaca Pucllana que fica dentro do sítio arqueológico de mesmo nome. A Cozinha do restaurante tem como lema usar ingredientes genuinamente peruanos interpretando-os sem perder a liberdade criativa. As chefs Marilú Madueño e Andrea Massaro realmente levam este lema muito a sério! A comida é muito saborosa e os pratos são preparados com todo esmero que se espera de um restaurante premiado. Por mais incrível que possa parecer, os preços são bem amigáveis o que faz deste restaurante parada quase que obrigatória uma vez em Lima. Quanto ao ambiente é um desbunde: imagina fazer uma refeição de cara para um sítio arqueológico lindíssimo  com uma iluminação de tirar o fôlego e um serviço impecável. Imaginou? Pois é bem assim no Huaca Pucllana. Claro que o sítio arqueológico estava fechado para visitas durante o horário do jantar, mas já dava para sentir a energia do local.

De entrada pedimos “chicharrón de cuy sobre patacones de plátano y criolla a la hierba buena” que eram pedaços de porquinho da índia empanados e fritos sobre quadrados de banana com um molho super apimentado. Me senti super culpada por comer cuy = porquinho da índia, mas a verdade é que estava gostoso. De prato principal fui novamente de Lomo Saltado  com  batatas amarillas fritas e arroz con choclo que estava saboroso, já o maridex foi de “mini rocoto relleno de lomo a la arequipeña, con pastel de papa y queso gratinado’ou seja, carne com um molho apimentado, um bolo batata em formato de empada com queijo gratinado e legumes. Estava saboroso segundo o marido que também provou a bebida local: pisco sour, bebida feita com aguardente de uva, com clara de ovo, angostura, açúcar, suco de limão e etc, tipo a nossa caipirinha. Minha opinião: o pisco é bom mas MUITO forte

De sobremesa fui de “volcán de chocolate, helado de vainilla, galleta de ajonjolí y salsa de camu camu” = bolo de chocolate, sorvete de baunilha com biscoito de gergelim e molho de camu camu, que estava uma delícia, bem suave mas saboroso e lindamente decorado já o marido foi de “Barrita de chocolate, mousse de lúcuma, quinua crocante y aguaymantos frescos” = torta de chocolate com mousse de lúcuma, farofa crocante de quinoa e physalis frescos, que estavam bem equilibrados e gostosos. Saímos rolando de tanta comida mas super satisfeitos com a refeição.

No dia seguinte o almoço foi no restaurante do chef Gastón Acurió, o Tanta que fica no shopping Larcomar. Escolhemos este local só pela vista mesmo rs. fomos sem reserva! Depois de muito esperar nos deram uma mesa com vista para a janela e começamos os trabalhos; para beber fomos de suco de “Mango Huarango” ou seja, suco de manga, laranja e banana: divino!

De entrada pedimos “Las croquetas Tanta”, um tipo de croquete de frango na brasa e de ají de galinha com dois molhos diferentes. Estavam uma delícia! Como prato principal resolvi arriscar e escolhi um prato típico peruano: “Tacu tacu a lo pobre” que era uma milanesa de carne de vaca com ovo frito, banana frita, molho escabeche e esse tacu tacu que é uma massa feita com o feijão e arroz misturados e fritos como uma omelete para ficar sequinha por fora e suculenta por dentro. A expectativa era boa mas a realidade não: um prato muito gorduroso e nada interessante. Não gostei! O marido foi de “El gran combinado” que era arroz com frango, banana frita, choclo com ocopa (ingrediente que não conheço) e batatas à huancaín. Eu achei a cara do prato bem sem graça e segundo o marido não estava bom. Depois de uma experiência nada interessante resolvemos sair sem a sobremesa.

Neste mesmo dia resolvi jantar em um restaurante que não é famoso como os citados acima e fica fora da rota turística: o Saqra. Este restaurante é bem escondidinho e para minha surpresa ninguém do Hotel o conhecia, tampouco o taxista que me levou até la. Uma pena para eles porque o local é muito interessante. O ambiente é bem acolhedor, com uma decoração diferente e o serviço um charme. Nos sentamos bem em frente ao bar e começamos com o prato principal: eu fui de “Mil hojas de ají de gallina” e o marido foi de “Ossobuco de seco”

O mil folhas de ají estava simplesmente divino e sinceramente…desmanchava na boca. Ele também vinha acompanhado de batatinhas rústicas com alecrim que estavam bem saborosas e uma salada de folhas verdes. Um sabor diferente mas incrível. Segundo o marido o Ossobuco era bem macio, com um molho delicioso e encorpado acompanhado de purê de batatas yucca e molho criollo também muito bem preparados. Como a comida foi tão gostosa, decidimos pedir a sobremesa.Lima Atenção porque as sobremesas aqui no Saqra são mais caras, mas valem a pena! Nós fomos de creme brulée de banana com trufas fritas de chocolate e sorvete. Gente…estava TÃO MARAVILHOSO que repetimos a mesma sobremesa! Foi a melhor sobremesa que comi no Peru, definitivamente! As trufas de chocolate fritas não são fritas na gordura então saem sequinhas, mas quando você as fura é uma explosão de chocolate derretido por cima de um creme brulée incrível de banana com um sorvete também bem saboroso.  Nós estávamos tão maravilhados que o dono do restaurante veio conversar conosco, até porque o restaurante estava fechando quando pedimos novamente a sobremesa e diante da nossa cara de satisfação o próprio dono nos entregou a sobremesa e puxou papo! Ele é muito simpático e ficou bem feliz que gostamos do lugar e da comida e nos contou que ali no Saqra, além de comer, você pode comprar tudo o que estiver no local: os quadros luminárias, cadeiras, enfim…uma verdadeira experiência de compras e gastronômica! Saí de lá me sentindo…plena! kkk

OBSERVAÇÃO: Antes de voltarmos para o Brasil, resolvemos dar uma segunda chance e ir no Tanta do aeroporto de Lima e olha…muito melhor que o do shopping Larcomar! Claro que não tem vista, mas o atendimento é mais simpático e a comida melhor! Comemos as Croquetas Tanta de entrada e estavam muito mais gostosas, depois pedimos um ají de gallina e um lomo saltado. Os dois vieram muito bem servidos e estavam bem saborosos, completamente diferentes da gordura sem fim da outra filial. Fiquei tão encantada que resolvi pedir uma sobremesa: cheesecake de frutas vermelhas que estava até bem gostosa mas não como o creme brulée de banana do Saqra. Enfim…foi uma grata segunda chance! Me surpreendeu positivamente.

Estes foram os restaurantes que visitamos em Lima. Falarei dos outros restaurantes (Cusco, Machu Pichu e Puno) em um próximo post, então fiquem ligados. E vocês, já foram em algum restaurante em Lima? Contem aqui nos comentários como foi ou deixem dicas para uma próxima viagem. Espero que tenham gostado do post e se gostaram deixem um like/curtida aqui no blog! Não esqueçam de se inscrever para ficar por dentro das novidades. Um beijo enorme cheio de sabor peruano e até o próximo post…

Restaurantes citados:

Central: Calle Santa Isabel 376 – Miraflores
(511) 242 8515
La Rosa Náutica: Espigón 4 Circuito de Playas – Miraflores
(511) 445 0149/ (511) 447 0057/ (511) 447 5450
La Huaca Pucllana: General Borgoño cdra. 8, Huaca Pucllana – Miraflores 
(511) 445 4042/ (511) 445 2630
Saqra: Av. La Paz 646 – Miraflores
(511) 650 8884

Tanta: Malecón de la Reserva 610 – Miraflores(511) 446-9357

Lima: dicas gerais e primeiras impressões

 

IMG_9741

Oi gente linda que me acompanha por esta blogosfera! Tudo certinho com vocês? Bem gente…Hoje contarei um pouquinho sobre minhas primeiras impressões de Lima e algumas aventuras no primeiro dia da viagem. Acho que já mencionei que nossa viagem foi: Lima + Cusco + Machu Picchu + Puno + Lago Titicaca (estes dois últimos fazem parte da Rota do Sol peruana), mas de qualquer forma é sempre bom relembrar. Eu adorei o Peru e se você também pretende visitar o país vale dar uma lida nestes posts que virão. Vem comigo…

Nossa viagem foi decidida aos 45 minutos do segundo tempo kkk, então só tínhamos 9 dias para visitar tudo o que queríamos e apenas 3 semanas para programar toda a viagem. Eu AMO programar e fazer todo o roteiro das minhas viagens, mas como simplesmente não tinha tempo suficiente, preferi fechar com uma agência de viagens, pois achei que seria mais fácil já que depois do dia 01 de julho deste ano, muitas regras de visitação mudaram em Machu Picchu e ficamos receosos de fazer tudo sozinhos. Eu pesquisei pela internet mesmo e fiquei chocada com os valores cobrados pelas agências brasileiras até que descobri a agência “Viagens Machu Picchu“, uma agência peruana que fazia muitos pacotes focados em turistas brasileiros. Claro que resolvi ligar e falei com o Sr. Juvenal (que fala português muito bem, viu?). O telefone da agência para o qual eu ligava é de São Paulo, então não precisa ter medo de ligar e encontrar surpresas na conta de telefone no final do mês. As passagens focaram por nossa conta e como já mencionei em outro post, comprei pelo site da Decolar todas elas juntas, já que assim não teria problemas com atrasos ou cancelamentos.

Chegamos a Lima no início da tarde e infelizmente tivemos algumas surpresas desagradáveis: além do voo atrasado nossas bagagens não chegaram ao destino. Para começar, o aeroporto de Lima “Jorge Chávez”, não fica bem em Lima e sim no distrito de Callao, que é uma cidade portuária a 10km de Lima. Callao não é uma cidade turística, definitivamente e vale lembrar que o trânsito ali beira à loucura, mas é o melhor meio de se chegar a Lima.

Na verdade, Lima é um distrito que possui nove quilômetros quadrados e foi “criado” em 1857. Segundo algumas fontes, ele era conhecido como “Ciudad Heroica” (Cidade Heróica), por ter sido um dos principais fortes de defesa na guerra contra o Chile. Deixando a história de lado, Lima é uma cidade…nublada!

O bairro de Miraflores, onde ficamos, está localizado na parte sudoeste de Lima, no litoral do Oceano Pacífico e ele é comporta outros distritos: San Isidro, na parte norte e Santiago de Surco na parte leste. Miraflores é bem cuidado, com muitos jardins e alguns lugares legais para visitar como: parques, restaurantes e o shopping Larcomar. A impressão que tive é que seria a parte nobre de Lima, assim como Ipanema no Rio de Janeiro. Mas a diferença é que existe a parte alta de Miraflores, onde ficam as construções em sua maioria e a parte baixa, onde fica a praia.

A praia é um capítulo à parte;  não tem areia, é tudo pedra! Não dá para estender uma canga e curtir um sol deitada ali. Vi muitas pessoas sentadas nas pedrinhas (todas em formato arredondado e coloridas), mas achei bem desconfortável. Diria que a praia é mais para surfar mesmo. Aliás, é muito estranho estar de cara para a praia no oceano Pacífico e não conseguir enxergar muita coisa por causa da falta de sol. Imagino que em dias de sol deve ficar uma vista linda, mas pelo que li, dias de sol não são muito comuns em Lima, o que não chega a tirar a beleza da cidade.

Nós ficamos no Embajadores Hotel bem próximo ao shopping Larcomar e apesar de ser bem localizado, não recomendo por ser um hotel muito antigo, com um banheiro que precisa ser remodelado urgentemente e um café da manhã que decepciona. Os funcionários são muito simpáticos e solícitos, mas o quarto não vale a pena.

Próximo do nosso hotel há o já conhecido Hotel IBIS e acho que pode ser uma boa opção para quem não quer gastar muito, já para os mais ricos e afortunados há o hotel JW Marriott  que além de lindíssimo fica bem em frente ao shopping Larcomar. Notei que as tomadas do hotel eram diferentes das nossas aqui no Brasil, então não esqueçam de levar um adaptador e para ciência de todos, a voltagem no Peru é 220w.

tomadas peru

Como ninguém da agência apareceu no Hotel para nos receber e explicar sobre a cidade (conforme descrito no pacote), nos restou simplesmente fazer por nossa conta e risco descobrir o comércio local e sinceramente não teve mistério algum. O comércio principal fica localizado na Avenida Larco a uma curta caminhada de 10 minutos do nosso hotel e nesta Avenida dá para comprar um chip de alguma operadora de telefonia local para poder fazer ligação de celular e ter internet durante a viagem e fazer o câmbio da moeda (tente trocar por notas pequenas por causa de troco). A moeda do Peru é o “sole peruano” e atualmente ela vale um pouquinho mais que o real brasileiro. Vale ressaltar que o câmbio em Lima é mais em conta que em Cusco e mais ainda que em Machu Picchu, então troque seu dinheiro aqui. Se você pretende ir a restaurantes badalados, melhor separar uns 250 a 300 soles para 2 pessoas, mas se sua viagem é econômica, dá para gastar em média 100 soles por dia e comendo bem.

Depois de resolver nossa vida fomos passear pelo shopping Larcomar. Este shopping tem uma vista lindíssima; ele foi construído nas rochas, debruçado no oceano Pacífico. Não é um shopping muito grande, mas tem boas lojas e excelentes restaurantes, portanto vale a visita, nem que seja para tomar um drink curtindo a vista. Se já estiver no shopping, não deixe de entrar na loja de chocolates “La Ibérica” e provar seu chocolate: é uma delícia! Há lojas muito bacanas de artesanato local neste shopping, mas atenção: não compre artesanato em Lima, deixe para comprar em Cusco porque é mais em conta e há mais variedade.

Se bater aquela canseira, não titubeie e pegue um táxi, mas fique atento pois os táxis no Peru não possuem taxímetro, então antes mesmo de entrar no carro, negocie o preço da corrida com o motorista. Claro que assim como em toda cidade grande, também há aproveitadores em Lima. Pegamos um táxi de um motorista safadinho que após fechar o preço teve a cara de pau de dizer que não tinha troco; portanto, na hora de pegar táxi, tenha notas pequenas porque se tiver notas de 50,00 ou 100,00 soles peruanos eles tentam te extorquir só porque você é turista. Para uma carioca com mais de 30 anos de malandragem, foi o fim da picada ouvir esse tipo de desculpa esfarrapada: dei um ataque e o troco surgiu como mágica! kkk

Como a gastronomia peruana é incrível, reservamos uma mesa em um restaurante super especial para celebrarmos nosso primeiro almoço: o restaurante La Rosa Náutica e para  o jantar, reservamos uma mesa no restaurante Huaca Pucllana, mas contarei tudinho no próximo post sobre os restaurantes que visitamos em Lima.

Devidamente alimentados, resolvemos queimar as calorias do almoço em um delicioso passeio pelo “Parque del Amor”. Este parque foi inaugurado no dia dos namorados (14 de fevereiro) em 1993 e nele encontra-se a escultura El Beso, obra de Victor Delfín, que representa o abraço romântico de um casal. Todo o parque conta com muros cheios de azulejos e frases famosas de artistas peruanos que lembra muito o trabalho em mosaico do Parque Güell, de Antoni Gaudí, em Barcelona.

A vista realmente é muito bonita e inclui a orla de Lima e as montanhas de Chorillos ao fundo. Ali também fica o posto de voo livre em Lima, que trata-se do voo de parapente com duração de 10 minutos pelo custo de 270,00 soles peruanos (vale pechinchar). Para quem se interessa por este tipo de aventura (eu adoro) recomendo fazer aqui porque no Rio de Janeiro é MUITO mais caro!!!

Há também o passeio do “Circuito Mágico das Águas”, que fica no parque de La Reserva. Este parque fica bem em frente ao Estádio de futebol Nacional localizado entre a Av. Arequipa e a rua Passeo de La Republica. Nós não fomos a este passeio então não dá para opinar, mas segundo alguns brasileiros que conhecemos na viagem é bem legal. Trata-se de um show noturno com projeção de luzes e lasers nas fontes de água sincronizadas com músicas peruanas.

Para quem gosta de badalação, vale visitar o bairro mais boêmio de Lima: Barranco. Ele também fica de frente para o oceano pacífico e é conhecido por “BARranco”, ou seja, um reduto de bares, mas nem só de bares vive o bairro, há também muitas galerias e museus de arte por ali. O agito começa à tardinha e por ser um reduto de bares e atrair muitos jovens há que se ter um certo cuidado com seus pertences. Caso queira passar o dia inteiro por lá, vale pegar um mapinha do local no Centro de Informações Turísticas, mas há visitas quase que obrigatórias: a loja Dédalo, uma loja que proporciona uma verdadeira experiência de compras com roupas, objetos de design e artesanato localizada em um antigo casarão e a “Puente de los Suspiros”, cuja construção de madeira data de 1876. Uma coisa é certa: Barranco deve ser o bairro mais colorido e pitoresco de Lima!

Bem gente linda, estas foram minhas primeiras impressões e dicas básicas de Lima. Espero que tenham gostado e que os ajude de alguma forma. E vocês, têm alguma dica bacana de Lima? Compartilha aqui nos comentários. Aproveitem para se inscrever no blog e ficar por dentro do que acontece neste espaço. Se gostaram deste post deixem um like/curtida, isso é muito bom para saber o que mais os interessa. Eu voltarei em breve com mais dicas e novidades. Um beijo cheio de energia positiva e até o próximo post…

Peru, um país inesquecível!

IMG_0071

Hello gente linda que me acompanha por aqui. Se este for o primeiro post que você lê neste blog, seja bem-vindo, mas se você já é habitué do blog, já deve ter percebido que viajar para mim é como o ar que respiro: necessário! Faz bem ao corpo, à alma e ao coração; e digo isso sem mencionar nenhum lugar específico, porque quem faz o lugar ser incrível é você, é a forma como você o recebe, o observa e o entende. Claro que cada um de nós tem suas preferências, não é mesmo? E cada um de nós é tocado de forma única independente do destino em questão. A certeza aqui, é que sendo este destino o Peru…nossa! Você jamais voltará o mesmo para casa.

É incrível como um país relativamente pequeno em extensão geográfica possa te arrebatar de uma forma tão profunda e trazer à tona reflexões que todos nós deveríamos fazer diariamente. E foi exatamente isso que o Peru fez comigo; eu me encontrei sem nem saber que estava perdida. Vou explicar como tudo começou…

O desejo de visitar o país sempre se fez presente na minha lista de “lugares incríveis a serem visitados”, mas o problema era sempre o preço. Não que o Peru seja um lugar muito caro, mas é que o país tem tanta coisa legal a ser visitada e é tão diverso que seria desperdício ficar 4 dias e além disso a locomoção dentro do país seria um ponto bem importante tendo em vista que as distâncias são longas e o transporte não muito eficiente. Mas nada é impossível quando se tem uma ideia na cabeça, determinação e espírito aventureiro. O Peru não saía da nossa cabeça desde o início do ano, mas como já tínhamos uma viagem à Disney marcada, decidimos postergá-lo, mas depois de voltarmos da Disney, decidimos que era chegada a hora! E assim aconteceu: batemos o martelo e no dia seguinte começamos a nos preparar para mais uma aventura.

Decidido o local, vem a parte problemática: conciliar a agenda. Resolvido esse problema, outra questão se faz presente: o preço! Fechar uma viagem com uma agência aqui do Brasil com destino ao Peru sai caríssimo e sinceramente, ainda não sei o motivo! Mas fechar um pacote com alguma agência peruana sai BEM mais em conta e como no nosso caso só teríamos 3 semanas até a data da viagem (perceberam que decidimos bem em cima da hora rs) e não teríamos tempo hábil para organizar todos os detalhes da viagem (que eu sempre gosto de fazer por minha conta), foi necessário contar com a ajuda de uma agência para tal, já que visitaríamos vários locais no Peru e isso implicaria em transporte, ingressos e horários Muito sincronizados. Para esta tarefa, contamos com a ajuda da agência Viagens Machu Pichu, uma agência de turismo peruana onde eles organizam tudo para você de acordo com suas preferências e o preço sai mais em conta do que fechando o pacote por uma agência brasileira.

Depois de inúmeras ligações e contatos com o sr. Juvenal – um dos funcionários da agência e uma pessoa boníssima, fechamos o nosso pacote que incluía: Lima + Cusco + Machu Picchu + Puno + Lago Titicaca: uau! E as passagens ficaram por nossa conta, já que a agência não inclui as passagens aéreas nos pacotes. Mas isso fizemos no mesmo dia através do site da Decolar, pois saía mais barato comprar todas as passagens juntas pela Decolar do que pelo site da própria cia aérea. Feito isso, me restou ficar com a parte boa: pesquisar sobre o país e reservar os restaurantes. Mal sabia eu tudo o que o Peru iria me oferecer. Para quem desejar fazer tudo por sua conta e risco indico pesquisar com maior antecedência, pois deixamos de fazer alguns passeios por não ter mais ingresso. Só não vale deixar de visitar o país!

O grande dia chegou e ao pisar no Peru senti uma emoção muito grande, pois o país te recebe de braços abertos e acredito que a maior riqueza do Peru seja o seu povo! Um povo receptivo, simpático e com um respeito muito grande pela natureza. Se eu já gostava do país antes de visitá-lo, fiquei mais apaixonada ainda depois de mergulhar em toda sua cultura. Portanto, minha gente…aguardem posts com dicas de restaurantes, passeios e impressões sobre o Peru e sua cultura; desmistifiquei algumas dicas que para mim foram perda de tempo mas voltei com outras bem legais, algumas um tanto deliciosas kkk! O fato é que não importa quanto tempo você vai ficar por lá…você tem que ir! Vá e deixe-se levar por toda essa energia e quando você perceber, já estará apaixonada pelo país, assim como fiquei!

IMG_0081

Tenha em mente que apesar de toda essa energia, é um país com suas mazelas assim como o nosso, então vá sabendo que vai encontrar pobreza, dificuldade, insegurança em alguns locais, mas que apesar de tudo isso vale a visita porque o peru é incrível!!! Por hoje é só minha gente, mas prometo voltar com muitas novidades em breve. Um beijo grande cheio de energia peruana e até o próximo post!